Encabezado de página

Parques públicos em São Paulo: aventura estética na cidade sem horizonte

Karin Vecchiatti

Resumen


Uma investigação das relações entre corpo e paisagem nos parques públicos de São Paulo –acrescida de uma análise da abordagem midiática sobre essas áreas verdes– nos leva a atentar para um aprendizado somático (aprendizado do corpo) como estratégia de geração de significado e vivência na metrópole. Levar esse aprendizado em consideração parece ser de fundamental importância nos últimos anos: uma cidade que restringe as possibilidades de encontros corpo-a-corpo e as possibilidades de aprendizado na interação entre corpos e entre corpos e paisagens é uma cidade fadada ao endurecimento e à falência enquanto local de bem-viver. Quando se desvenda como os parques em São Paulo configuram modos de ser característicos da cidade e se revela que esses modos de ser estão em parte ligados ao papel desempenhado pela mídia, revela-se o papel dos espaços públicos como laboratórios de ser e estar, identificando-se subsídios para a gestão e um possível enfrentamento da crise do espaço público na cidade. É nas áreas públicas e abertas que se encontram as chances de criação de uma cidade mais inclusiva, onde a horizontalidade, o convívio coletivo e o respeito à diversidade possam (talvez) superar as estru­turas rígidas de um desenvolvimento vertical e excludente.


Palabras clave


parques públicos; espaço público; sustentabilidade; sociossemiótica

Texto completo: PDF EPUB

Citar:     Cite/Citar

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.



DOI: 10.26439/contratexto2019.n031.3894


Código de Ética

Servicios de indexación y directorios