Epistemologías y descolonización en Latinoamérica: entendiendo mediaciones y transmetodologia como praxis epistémica-metodológica transformadora

Palabras clave: Epistemología, Comunicación, Mediaciones, Perspectiva transmetodológica, América Latina

Resumen

DOI: 10.26439/contratexto2020.n033.4791

Nuestro objetivo central es discutir acerca de la importancia de la descolonización del pensamiento comunicacional para la Comunicación en Latinoamérica. Para eso, proponemos algunas provocaciones capaces de contribuir para una discusión más compleja acerca de otras epistemologías y metodologías que emergen de las realidades originales y autóctonas y de contextos concretos que nos afectan pero que no siempre son observados bajo criterios que dialogan con nuestra historia y nuestra realidad empírica. Así, esperamos priorizar una perspectiva en la que los procesos sociales circundantes sean protagonistas de una construcción que no se limita a perspectivas bipolares que reconocen solamente la recepción y/o la producción. Por consiguiente, hacemos aproximaciones y confrontaciones teóricas acerca de la construcción del pensamiento occidental y sus epistemologías y luego discutimos acerca de la constitución de las Ciencias Sociales y de la Comunicación como campos y de su trayectoria dentro de Latinoamérica y, al final, proponemos una aproximación desde una propuesta de operacionalización de las mediaciones y de la perspectiva transmetodológica que se constituyen como dos potentes caminos para pensar concretamente las configuraciones metodológicas desde un punto de vista latinoamericano.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Biografía del autor/a

Eloy Santos Vieira, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Brasil

Doutorando em Ciências da Comunicação (Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Brasil), Mestre em Cultura, Economia e Políticas da Comunicação (2016) pela UFS

Leila Lima de Sousa, Universidade Federal do Maranhão e Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Docente da Universidade Federal do Maranhão – Campus Imperatriz. Doutoranda em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Brasil.

Citas

Bachelard, G. (2001). A epistemologia. Lisboa: Edições 70.

Bhabha, H. K. (1998). O Local da Cultura. (Trad. M. Ávila, E. L. de Lima Reis e G. R. Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Braga, J. L. (2006). A sociedade enfrenta a sua mídia. São Paulo: Paulus.

Bonin, J. A. (2013). A pesquisa exploratória na construção de investigações comunicacionais com foco na recepção. Em J. A. Bonin & N. M. do Rosário. (Org.), Processualidades metodológicas: configurações transformadoras em comunicação (pp. 23-42).Florianópolis: Insular.

Bourdieu, P., Chamboredon, J. C., & Passeron, J. C. (2010). Ofício de sociólogo: metodologia da pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes.

Cassirer, E. (1993). El problema del conocimiento I: En la filosofía y en la ciencia modernas. San Lorenzo: Fondo de Cultura Económica.

Corcuff, P. (2015). ¿Qué há pasado con la teoria critica? Problemas, intereses em juego y pistas. Revista Cultura y representaciones sociales, 9(18), 63-79.

Dussel, E. D. (1977). Filosofia da Libertação na América Latina. Trad. L. J. Gaio. Edições Loyola & Editora UNIMEP.

Eco, U. (1984). Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva.

Galeano, E. (1978). As Veias Abertas da América Latina. Paz e Terra, (12). Recuperado de https://copyfight.noblogs.org/gallery/5220/Veias_Abertas_da_AmC3%83%C2%A9rica_Latina(EduardoGaleano).pdf

Gomes, P. G. (2017). Dos meios à midiatização: um conceito em evolução. São Leopoldo: Editora Unisinos.

Habermas, J. (2000). O discurso filosófico da modernidade: Doze lições. São Paulo: Martins Fontes.

Haller, R (1990). Wittgenstein e a filosofia austríaca: questões. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Huertas Bailén, A. (2015). Yo soy audiencia: Ciudadanía, Público y Mercado. Barcelona: UOC Press-Comunicación. (versão Kindle).

Japiassu, H. (1977). Introdução ao pensamento epistemológico. Rio de Janeiro: Francisco Alves Editora.

Ladeira, J. M. (2016). Audiovisual, televisão, streaming: uma exploração de suas formas e estratégias. Em B. Miège et al. (Orgs.), Operações de midiatização: das máscaras da convergência às críticas do tecnodeterminismo. Santa Maria: FACOS-UFSM.

Lima, L. C. (2000). Teorias da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra.

Lopes, M. I. V. de. (2018). Jesús Martín-Barbero e os mapas essenciais para compreender a comunicação. Intexto, (43), 14-23. Recuperado de

http://dx.doi.org/10.19132/1807-8583201843.14-23

Luhmann, N. (2005). A realidade dos meios de comunicação. São Paulo: Paulus, 2005.

Maldonado, A. E. (2006). Práxis teórico/metodológica na pesquisa em comunicação: fundamentos, trilhas e saberes. Em Metodologias de pesquisa em comunicação: olhares, trilhas e processos (pp. 269 – 290). Porto Alegre: Sulina.

Maldonado, A. E. (2008). A perspectiva transmetodológica na conjuntura de mudança civilizadora em inícios do século XXI. Em A. E. Maldonado, J. A. Bonin & N. M. do Rosário (Orgs.), Perspectivas metodológicas em comunicação: desafios na prática investigativa. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB.

Maldonado, A. E. (2011) Pesquisa em Comunicação: trilhas históricas, contextualização, pesquisa empírica e pesquisa teórica. Em A. E. Maldonado, Metodologias de pesquisa em comunicação: olhares, trilhas e processos (pp. 277-303). Porto Alegre: Sulina.

Maldonado, A. E. (2013). A perspectiva transmetodológica na conjuntura da mudança civilizadora em inícios do século XXI. Em A. E. Maldonado, J. A. Bonin & N. M. do Rosário (Orgs.). Perspectivas metodológicas em comunicação: Novos desafios na prática investigativa (pp. 31-57). Salamanca: Comunicación Social Ediciones y Publicaciones.

Martín-Barbero, J. (1987). De los medios a las mediaciones. Comunicación, cultura y hegemonia. Barcelona: Gustavo Gili.

Martín-Barbero, J. (1988). Procesos de Comunicación y Matrices de Cultura: Itinerario para salir de la razón dualista. México: Gustavo Gili.

Martín-Barbero, J. (1998). De los medios a las mediaciones. Comunicación, cultura y hegemonia. 5. a ed. Bogotá: Convenio Andrés Bello. [Obra com a segunda introdução].

Martín-Barbero, J. (2008). Pistas para entre-ver medios y mediaciones. Revista Anthropos/Huellas del conocimiento, (219), 43-48.

Martín-Barbero, J. (2013). Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: UFRJ, 7. a edição.

Mignolo, W. (2006). Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. Em B. de S. Santos, Conhecimento prudente para uma vida decente. São Paulo: Cortês.

Mignolo, W. (2008). Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, (34), 287-324.

Morawicki, K. (2016). Matrices teóricas y políticas en el campo académico de Comunicación y Educación en Argentina. Revista Actas de Periodismo y Comunicación, 2(1). Recuperado dehttp://perio.unlp.edu.ar/ojs/index.php/actas/article/view/4023

Morin, E. (2008). O método 3: O conhecimento do conhecimento. Porto Alegre: Sulina.

Norris, C. (2007). Epistemologia: Conceitos-chave em filosofia. Porto Alegre: Artmed.

Ollivier, B. (2008). Medios y mediaciones. Revista Anthropos/Huellas del conocimiento, (219), 121-131.

Orozco, G. & Miller, T. (2018). A televisão além de si mesma na América Latina. Matrizes, 12(3). Recuperado de www.revistas.usp.br/matrizes/article/download/153196/149817

Ortiz, R. (2008). Caminos de la mediacion: Comunicación y culturas em América Latina. Revista Anthropos/Huellas del conocimiento, (219), 132-135.

Pedroso, D. & Bonin, J. A. (2012). Metodologia no processo investigativo: a construção da arquitetura teórico-metodológica de uma pesquisa de recepção cinematográfica. Interin, (13), 1-18.

Peruzzo, C. (2016). Epistemologia e método da pesquisa-ação. Uma aproximação aos movimentos sociais e à comunicação. Em Encontro Anual da Compós, Goiânia. Anais..., Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. Recuperado de

http://www.compos.org.br/biblioteca/epistemologiaem%C3%A9tododapesquisa-a%C3%A7%C3%A3o...ciciliaperuzzo.modelocompos2016._3270.pdf

Piketty, T. (2014). O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Intrínseca.

Piza, S. de O. & Pansarelli, D. (2012). Sobre a descolonização do conhecimento – a invenção de outras epistemologias. Estudos de Religião, 26(43), 25-35.

Popper, K. R. (1975). Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Belo Horizonte: Ed. Itatiaia/São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo.

Rincón, O. (2016). O popular na comunicação: Culturas bastardas + cidadanias. Trad. Ciro Lubliner. Revista Eco Pós, 19(3). Recuperado de

https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/article/download/5420/3994

Rodrigo Alsina. M. (1995). Los modelos de la comunicación. Madrid: Tecnos.

Rossetti, R. (2016). Mudanças teóricas nas trajetórias de funcionalistas e frankfurtianos. Em Encontro Anual da Compós, Goiânia. Anais... Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação. Recuperado de

http://www.compos.org.br/biblioteca/2016mudançasteóricascompos_3364.pdf

Santos, B. S. (2006). A gramática do tempo: para uma nova cultura política. São Paulo: Cortez Editora.

Sartre, J. P. (2011). Crítica de la razón dialéctica. Buenos Aires: Losada.

Schlesinger, Philip. (2008). Huellas del conocimiento e J. Martín-Barbero. Revista Anthropos/Huellas del conocimiento, (219), 104-112.

Sodré, M. (2015). A comunicação eletrônica é epistemóloga. Entrevista de Muniz Sodré concedida à R. G. Revista Parágrafo, 1(3), 120-127. Recuperado de

http://revistaseletronicas.fiamfaam.br/index.php/recicofi/article/view/289

Sodré, M. (2016). Mídia, ideologia e financeirização. Oficina do Historiador, Porto Alegre, EDIPUCRS, 8(1), 134-157. Recuperado de

http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/oficinadohistoriador/article/view/18591

Torrico Villanueva, E. R. (2016). Hacia la Comunicación decolonial. Serie Integrar. Volumen N° 2. Sucre: Universidad Andina Simón Bolívar.

Vieira, F., Coêlho, T., & Marques, A. (2016). O rosto na imagem, a imagem sem rosto: apontamentos para pensar outramente a relação entre estética e política. Em Encontro Anual da Compós 2016, Goiânia. Anais..., Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Comunicação, 2016. Recuperado de

http://www.compos.org.br/biblioteca/marquestemplatecomposautoria_3289.pdf

Vieira, E. S. & Silva, T. R. (2018). Monitorando audiências televisivas nas mídias sociais. Em T. Silva, J. Buckstegge, P. Rogedo. (Orgs.), Estudando Cultura e Comunicação com mídias sociais (pp. 315-335). Editora IBPAD.

Wallerstein, I. et al (1996). Para abrir as Ciências Sociais. (Comissão Gulbenkian para Reestruturação das Ciências Sociais). São Paulo: Cortez Editora.

Wolf, M. (2008). Teorias das comunicações de massa. São Paulo: Martins Fontes. Zalamea, F. (2008). La inteligência del tránsito. Revista Anthropos/Huellas del conocimiento, (219), 71-78.

Publicado
2020-07-04
Cómo citar
Santos Vieira, E., & Lima de Sousa, L. (2020). Epistemologías y descolonización en Latinoamérica: entendiendo mediaciones y transmetodologia como praxis epistémica-metodológica transformadora. Contratexto, (033), 33-62. Recuperado a partir de https://revistas.ulima.edu.pe/index.php/contratexto/article/view/4753
Sección
Artículos